TF ou TFG – dicas gerais

No Gravatar

Trabalho de Formatura (TF) ou Trabalho Final de Graduação (TFG), não importa o nome, ele indica que o fim está próximo e isso é ótimo!

Assim como tenho feito com algumas outras disciplinas do curso, seja com tradução de texto, ou apenas anotações de aula, abaixo estão minhas nota de aula / dicas do coordenador da disciplina para a confecção do mesmo.

Basicamente o TF deve ser formado por três partes: pré-texto, texto e pós-texto, que serão mais explorados a seguir. E, na Poli, o formato é A4, retrato – digo na Poli pois isso não é regra entre as faculdades da USP, a FAU é mais flexível, por exemplo, e comporta mais formas de comunicação visual do que sua irmã engenheira.

Pré-texto

O pré-texto consiste daquelas páginas iniciais como: capa, folha de rosto, agradecimento/dedicatória (optativo), sumário*, lista de tabelas e lista de figuras, nesta ordem.

Texto

(o título dos capítulos não são obrigatórios, o importante é seguir a ideia e a ordem dos conteúdos)

1. Introdução: deve ter em torno de 5 páginas e tem a missão de atrair o leitor

2. Objetivos: podem ser divididos entre 2.1 Geral e 2.2 Específicos e devem apresentar qual é a meta do trabalho

3. Justificativa: deve (sei que é redundância) justificar o porque do tema, fundamentar porque determinada escolha é importante/relevante

4. Materiais e métodos: como em geral trata-se de escolher e adotar um método de análise específico, não cabe usar a palavra metodologia que significa estudo de métodos

5. Revisão Bibliográfica: pode ser aberto em mais de um capítulo, se necessário, e não adotar este título e consiste apresentar a pesquisa sobre o que já está publicado sobre o tema (não contempla a referenciação dos dados)

6. Estudo de Caso: é a parte mais livre e criativa do trabalho

7. Conclusões: pode conter ou não uma análise crítica e evitar chavões de fim de jogo de futebol como “o trabalho foi muito importante…”, “o time trabalhou unido…”. “o professor nos orientou muito bem…”.

Pós-texto

8. Referências ou Referências bibliográficas*: devem seguir o padrão ABNT (na dúvida, procurar a bibliotecária) e lembrar-se que referência errada desqualifica o trabalho. São consideradas boas fontes: livros técnicos, relatórios técnicos de projetos e artigos de revistas especializadas (nacionais ou internacionais). São consideradas fontes duvidosas sites da internet, apostilas, artigos de jornais ou revistas de circulação comum, twitter.

9. Apêndices ou Anexos: deve conter material (desenhos, tabelas, etc.) muito grandes ou que dificultem a leitura do texto caso fossem inseridos em seu corpo

Dicas complementares:

– figuras e tabelas devem ser legendadas e as referências cruzadas devem bater – o texto citar a devida tabela e a tabela corresponder ao texto;

– evitar a estrutura “segundo Fulano, 20XX, blá, blá, blá” pois recomenda-se que ela seja usada apenas uma vez no texto inteiro;

– impessoalidade: não usar a primeira pessoa (do singular e do plural), ao invés da primeira, usar a terceira pessoa e a voz passiva;

– usar no máximo 3 níveis de identação nos títulos.

* campos que podem ser automatizados usando os recursos do editor de texto: recomenda-se fortemente que se use esses recursos para indexar figuras, tabelas, equações, legendas etc.