Archive for junho, 2013

O planejar no Brasil e os movimentos sociais

No Gravatar

1. O planejamento

Brevemente, pode-se dizer que o ato de planejar consiste em observar o passado e o presente para preparar-se para o futuro. Nessa avaliação do que já existe de evidência histórica, estabelecem-se relações de causa e consequência a fim de entender como se dão os processos analisados, sendo eles técnicos, econômicos, políticos, sociais, culturais ou ambientais. Desta maneira, assume-se um rumo a ser tomado composto por objetivos, metas e prazos e presume-se que ocorrerão determinados comportamentos (individuais, regionais, nacionais, governamentais, institucionais).

O planejamento é necessário em todas escalas, desde a individual à global, para que as tomadas de decisão tenham coerência entre si e levem à consecução de um objetivo que se julga acertado e legítimo. Agora, focando na gestão de instituições, estabelecer metas de curto, médio e longo prazos costuma ser uma prática positiva, afinal, nem sempre são as mesmas pessoas que ocupam os cargos (há rotatividade) e às vezes a perspectiva mais ampla se perde em detrimento das questões mais cotidianas. Sendo necessário então haver uma perspectiva de longo prazo nos planejamentos, é preciso também considerar que deverá haver aporte de recursos para que se alcance o que previamente se estabeleceu como desejo a ser perseguido.

Estes dois parágrafos precedentes apresentam uma visão simples e até determinista do planejamento, o que não é um problema se houver ciência de que o planejamento é um instrumento norteador, definidor e redefinidor das ações a serem efetivadas. Isto é, pode ser reajustado ao longo do tempo, desde que não se ajuste o tempo todo de forma que se faça o planejmaneto caminhar para a realidade presente, ao invés da realidade presente caminhar pelo planejamento. No setor público, torna-se ainda mais fundamental pois os cargos de tomada de grandes decisões sofrem periodicamente alterações – o que se é bom pelo lado de possibilitar a alternância de poder, por outro lado, dificulta a contiuidade de políticas públicas.

Assim, o planejamento é um importante instrumento de gestão que não deve engessar, mas nortear a ação do poder público, especialmente se considerarmos que frequentemente encontra-se a dicotomia “recursos limitados x necessitadas ilimitadas”. Porém, é preciso ter em mente que o planejamento é instrinsecamente anacrônico, tal qual a cidade Fedora de Ítalo Calvino (2003) ilustra, é uma cristalização de desejos. E como não se pode afirmar nada sobre o futuro, apenas supor; quando o futuro chega é natural que o planejamento carregue um certo ar de arcaicidade.

No centro de Fedora, metrópole de pedra cinzenta, há um palácio de metal com uma esfera de vidro em cada cômodo. Dentro de cada esfera vê-se uma cidade azul que é o modelo para uma outra Fedora. São as formas que a cidade teria podido tomar se por uma razão ou por outra, não tivesse se tornado o que é atualmente, Em todas as épocas, alguém, vendo Fedora tal como era, havia imaginado um modo de transformá-la na cidade ideal, mas, enquanto construía o seu modelo em miniatura, Fedora já não era mais a mesma de antes e o que até ontem havia sido um possível futuro hoje não passava de um brinquedo numa esfera de vidro.

Read more »

Qual teria sido o rumo da humanidade se Hitler não tivesse assumido a Alemanha?

No Gravatar
nazistas

Destrução nazista do Instituto para Ciência Sexual e a liberdade dos homossexuais

guest post da Aline Feola

Infelizmente a historia se repete e vemos novamente fundamentalistas perseguindo homossexuais… Agora é um bom momento para relembrarmos a história!

Em 1919, o pesquisador Magnus Hirscfeld fundou o Instituto para Ciência Sexual (Institut für Sexualwissenschaft ) em Berlim. O Instituto além de possuir uma grande biblioteca sobre homossexualidade, ainda oferecia serviços médicos, psicológicos e aconselhamento sobre sexo e casamento. Hirschfeld é conhecido como o primeiro advogado dos homossexuais e dos direitos dos transsexuais. Em 1928 estima-se que haviam 1,2 milhões de homossexuais na Alemanha, diversas associações lgbts e pontos de reuniões como bares e teatros. Os homossexuais viveram dias relativamente tranquilos, até que em fevereiro de 1933, com a ascensão de Hitler e do nazismo, o comportamento homossexual se tornou proibido. Homossexuais começaram a ser perseguidos, associações foram proibidas e o Instituto para Ciência Sexual foi destruido, junto com suas 12.000 publicações e 35.000 fotografias relativas à homossexualidade foram queimadas. Em seu discurso Hitler dizia que homossexuais deveriam se exterminados. Mais de 100,000 homossexuais foram presos, os arianos eram levados a centros de reabilitação para que recebessem «tratamento» e cumprissem com a sua função reprodutiva. Após constatado que não haveria possibilidade de curá-los, os homossexuais eram castrados e enviados para campos de concentração para que fossem exterminados pelo trabalho.

Após a guerra, os sobreviventes dos campos de concentração continuaram a ser perseguidos, pois o nazismo deixou como herança o estigma da inferiodade homossexual e o governo alemão so baniu as leis contra homossexuais na década de 70.

Se quiser ter mais informações o Museu do Holocausto dos Estados Unidos possui uma página dedicada ao Holocausto Homossexual: http://www.ushmm.org/education/resource/hms/homosbklt.pdf

Why do we want to change the world?

No Gravatar

Ainda uma página em branco sendo construída…

Writing exercise: Identify and describe a favorite activity or interest

No Gravatar

Reading is to discover the world book

From my point of view, reading is the most enjoyable activity in life. The act of read means not only acquiring information and learning, but also providing physical and mental care.

To me, reading is the main resource of knowledge. The written word invention has been fundamental to mankind evolution throughout all our existence due to the fact it was the everlasting way we have found to transmit knowledge among generations. And today, despite all technological innovations that coexist, like radio, TV, and Internet, books still concentrate a cumulative knowledge that our species has produced without precedent.

In addition, reading is an excellent activity for learning foreign languages. Think back to when you were a child and the importance of children’s storybooks in learning your first language. This role remains when it is about foreign languages. It improves vocabulary, uncovers other cultures’ veil, leads to more highly-developed language skills, and contribute to write better. All this happens because we unconsciously absorb information as how to structure sentences and how to use words correctly.

Another point is that reading is healthy. We exercise our brains while encoding all that visual characters in abstract concepts inside our minds. This complex task strengthens brain connections and stimulates new ones creation. As an activity which requires focus and a kind of silence, it promotes concentration and helps to relax the body.

This quiescence of the body extended to the mind outlines an appropriate environment for imagination exercising. Whenever we read something we imagine sonorous, visual, and tactile aspects – we can even smell fragrances or feel compassion. In other words, we can really engage in a story and access a world of fancy; moreover, the possibility of escape from reality is a very healthy and necessary practice to deal with daily routine.

So, I am convinced that reading is a great entertainment, beyond an amusing and useful way to apprehend the world.

Writing exercise: decribe a scene in nature

No Gravatar

At a glance that sunflower field reminded me of my grandfather who cultivated gardens throughout all his  life. Although it seems a homogeneous mass, each flower has its own life and needs to be cared for with love. Every little expression of life in there grows toward the sun in order to borrow its light and rehearses a mimetic movement stealing from wind its vitallity. They support each other, jointly and severally, over at least ten square kilometers, since they seem to understand that life in solitude is meaningless. The surrounding trees shadow paths for sunflower fans and clouds visit the sky in order to bring water to all life expressions. Bees pollinate as an amusement act such as the kids crossing the field. Other insects, crawling ones, eat weed and protect this tiny paradise. In adittion to inspiring painters, lovers and musicians; the yellow and the green play with each other and protect small animals. Finally, I reminded my grandpa last great lesson about gardening: to respect and to appreciate every particular beauty.